Notícias

Quais os riscos de usar óculos de sol falsos?

Leia aqui o problema de usar óculos de sol falsos.

Quem nunca comprou ou ficou tentado em comprar um óculos de sol falsos quando estava na praia?  
Com o verão, é muito comum ver pessoas usando o acessório de forma constante, mas é preciso adquirir o adereço correto e que realmente ofereça proteção aos olhos.
Isso porque comprar um óculos pirata que não oferece nenhum componente de proteção em sua composição eleva o risco de doenças na vista. “Os óculos de camelô não possuem proteção contra raios solares nocivos e suas lentes podem dificultar a visão ao invés de auxiliar”, diz Maria Eugenia Busta, oftalmologista da Pineapple Medicina Integrativa. A médica destaca que os óculos escuros devem ter proteção contra os raios solares ultravioletas, especificamente o UVA e UVB que, sem essa proteção, podem danificar as estruturas internas oculares.
Quais os riscos ao usar esse tipo de óculos?
Deve-se evitar sempre esse tipo de acessório. Uma lente escura demais pode provocar uma dilatação excessiva da pupila, deixando que os raios solares penetrem nos olhos. Os óculos falsos podem ainda provocar dores de cabeça, vista cansada, dor nos olhos e aumentar a lacrimação. Vale lembrar que os raios UV entrarão também pela falta de filtro nesses acessórios, aumentando o risco de lesões na retina e no cristalino.
Em longo prazo, o uso constante do adereço pode acelerar o surgimento de doenças oculares como catarata, pterígio e doença macular retiniana ou ainda aumentar o risco do problema, caso a pessoa tenha predisposição a problemas na vista.
E mesmo para quem acha que usar óculos de camelô pode ser melhor do que não usar nenhum tipo de proteção, saiba que esses acessórios pioram o problema na vista. As pupilas se fecham quando estamos expostos a luzes fortes, em defesa aos raios UV. Por causa da camada escura, elas se dilatam como se estivem expostas a menor radiação do que realmente estão, aumentado a exposição dos olhos.
Como saber se óculos é verdadeiro ou não?
Geralmente, esses acessórios apresentam especificações de qualidade e, principalmente, selo de proteção UVA e UVB na embalagem, lente ou etiqueta. “Você não tem controle de qualidade da manufatura. Não há tratamentos anti reflexo, por exemplo”, destaca Rui Barroso Shimiti, oftalmologista e professor do curso de medicina da PUC Paraná.
Os especialistas destacam que quanto maior a porcentagem de bloqueio destes raios, melhor. O valor aceito é de 99-100%, que pode ser demonstrado nas etiquetas e descrições do produto.
Por último, o ideal é realizar a compra em lojas ou óticas especializadas e que garantem autenticidade do produto, já que muitas vezes é possível perceber diferenças olhando o material. Sempre desconfie de marcas que recebem muitas reclamações em sites de empresas direcionadas a esses serviços e até dos mais baratos vendidos em promoções ou nas praias.
Óculos precisam ser limpos
Embora não tenham uma validade específica, os óculos precisam ter cuidados de higiene e devem ser limpos diariamente. O correto é utilizar detergente ou produtos específicos na lente. “Tem que só encostar e nunca esfregar para evitar que a lente seja danificada a longo prazo”, afirma Shimiti.
A falta de limpeza ainda eleva os riscos de deixar o produto riscado e diminuir a proteção. “Existem lenços específicos para limpar essa camada antiaderente. Com uma limpeza adequada, é possível garantir uma aderência de até 24 horas”, conclui o médico.

Por Priscila Carvalho